• Post category:Novo Jornal

GPL e ENDE não assumem culpas pela morte de zungueira por electrocução

GPL e ENDE não assumem culpas pela morte de zungueira por electrocução
Luanda, Angola: the Provincial Government of Luanda building seen from above - old Portuguese colonial architecture - Governo Provincial de Luanda, Largo Irene Cohen - antiga Camara Municipal de Luanda

Advogado da família da zungueira que morreu electrocutada promete avançar, nos próximos dias, com processo-crime contra o GPL e a ENDE, para pedir uma indemnização que não deve ficar abaixo dos 50 milhões Kz. No entanto, GPL nega responsabilidades no incidente e orienta o CACL a tratar do assunto. Esta última instituição, por sua vez, demarca-se e «atira a bola» à ENDE, na fatídica história de Alice Cambungo, que deixa seis filhos de um pai desempregado.

Uma cidadã de 48 anos morreu a 16 de Março, quando tentava transpor uma poça de água, junto a um poste de iluminação pública, nas imediações da Ingombota, em consequência da chuva ocorrida na província de Luanda.

Alice Cambungo, que era mãe de seis filhos, dos quais três deles menores, até já foi a enterrar, mas deixa para trás um complexo jogo de “empurra-empurra” entre o Governo Provincial de Luanda (GPL) e a Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE), que negam responsabilidade no trágico incidente que comoveu toda uma sociedade, com gente a recorrer a exemplos do que sucede lá fora, para justificar a necessidade de o Estado indemnizar a família da vítima.