Vítimas mortais da “Caipirinha do azar” sobe para 13

Vítimas mortais da “Caipirinha do azar” sobe para 13

Subiu para 13 o número de vítimas mortais em consequência da ingestão de uma bebida caseira, denominada “caipirinha do azar”, no bairro CAOP, município de Viana.

Os dados avançados pela RNA, nesta terça-feira (27), indicam que as vítimas mortais têm idades compreendidas entre os 14 aos 59 anos. Mais duas pessoas estão internadas no Hospital Josina Machel.

O fornecedor dos ingredientes utilizados na produção da “Caipirinha do azar”está entre os mortos, enquanto a comerciante da bebida foi detida pela Polícia. Com a senhora, foram detidas mais três acompanhantes e ajudantes.

A bebida é uma mistura de “Água do chefe” (Kaporroto), kapassarinho (bebida feita de um fruto com efeito alucinogénio) e combustível JET A1, para aviões. Na segunda-feira, o Serviço de Investigação Criminal (SIC) avançava oito mortes.

O porta-voz do comando de Luanda do SIC, Fernando de Carvalho, explicou que os investigadores se deslocaram ao hospital para onde foram levados alguns dos consumidores desta bebida, para apurar o que se passou.

Segundo o coordenador da Comissão de Moradores, António Costa, a bebida provoca sintomas como dores de cabeça, do corpo, enjoos, mal-estar geral, dificuldades para andar, além da perda de visão. “Há outras pessoas no Sector 12, mas não conseguimos lá chegar. Disseram-nos que consumiram uma bebida, a que chamam água do chefe, que misturada com JET A 1 e outros produtos não identificados que dizem ser uns botões provenientes de uma lavra cuja ingestão provoca dores de coluna e outros sintomas”.