• Post category:Expansão

Grupo israelita financia, constrói e passa factura de 782 milhões USD

Grupo israelita financia, constrói e passa factura de 782 milhões USD

Estado vai injectar 782 milhões USD na construção de cinco mil habitações distribuídas em três centralidades. Ainda não há previsão para o início das obras. Com estas construções, o País passa a ter 41.369 casas, em 17 centralidades espalhadas por 13 províncias.

O grupo Menomadin, através da sua participada Luminar Finance, com sede em Zurique, Suíça, vai financiar em 782 milhões USD a construção de três centralidades no País, nas províncias do Bengo, Cabinda e Cunene, e também será responsável pela construção do empreendimento, através da Kora Angola, o braço do grupo Mitrelli para a área da construção e imobiliário, pertencente à mesma empresa-mãe israelita.

A despesa e a abertura do procedimento de contratação simplificada, pelo critério material, para os contratos de empreitada e respectivos serviços de fiscalização é autorizada por despacho presidencial, publicado no Diário da República de 29 de Abril. Na construção das três centralidades o Estado vai investir um total de 782 milhões USD, sendo 763 milhões direccionados para a obra e respectivas infraestruturas e 19 milhões USD para a fiscalização.

O despacho presidencial 54/21, de 29 de Abril, deixa claro que, para a construção das centralidades, deve ser contratada a empresa “benfeitora” da linha de crédito da Luminar Finance.

A Luminar Finance apresenta- -se, no seu site, como “fornecedor líder mundial de soluções de financiamento para países de mercados emergentes”, com foco nos países da África Subsariana. E, tal como o grupo Mitrelli, faz parte da mesma casa-mãe, o grupo Menomadin de Haim Taib. Como apurou o Expansão, a empresa, fundada em 2003, só financia projectos em países que têm contratos com a Mitrelli.

No caso de Angola, o grupo Mitrelli tem no seu porfolio de empresas a Kora Angola, que actua no sector imobiliário nacional desde 2011, tendo já construído as centralidades de Lossambo, Cuíto, Andulo, Uíge e Sumbe, num total de 40.000 casas, ao abrigo de uma linha de crédito de 2,5 mil milhões USD concedida pela empresa Luminar Finance, de acordo com a African Affairs, revista ligada à Universidade de Oxford. A Kora Angola também construiu as centralidades da Caála, Luena e Bailundo. E foi também escolhida para construir o novo Hospital Geral do Bengo, orçado em 63 milhões USD, e a nova sede da Comissão Nacional Eleitoral e do Centro de Escrutínio Nacional, por 44,7 milhões USD, de acordo182,9 milhões USD, a que se juntam 4,5 milhões para a fiscalização. O maior investimento será destinado à construção de 3.000 casas, na província de Cabinda, que custarão aos cofres do Estado 397,1 milhões USD, mais 9,9 milhões USD para a fiscalização.

De acordo com o documento, a construção de novos centros urbanos é justificada pela necessidade de dar sequência aos projectos habitacionais, no âmbito do Programa Nacional de Urbanismo e Habitação (PNUH).

Segundo o Ministério das Obras Públicas e Ordenamento do Território ainda não há uma data prevista para início da obra, porque ainda estão a ser preparadas condições administrativas para o seu arranque.

Mitrelli, um grupo multissectorial

O grupo Mitrelli, presente no mercado nacional há várias décadas, actua em diversos sectores e tem facturado milhões com o Estado angolano, sendo o principal fornecedor de testes e material de biossegurança ao País, durante a pandemia da Covid-19.

Ainda no ramo da saúde, o grupo é o proprietário da clínica Luanda Medical Center e foi responsável pelo equipamento do Centro de Rastreio e Tratamento da Covid-19, inaugurado pelo Presidente da República, em Junho passado, no km 27, em Viana, sob responsabilidade da Clínica Girassol, num investimento de três mil milhões Kz da Sonangol. É também parceiro do Estado, por via da Yapama Saúde, empresa de direito angolano criada em 2012, e que é o principal fornecedor dos laboratórios de Angola, nomeadamente do Instituto Nacional de Sangue (INS), Instituto Nacional de Luta Contra a Sida (INLCS), bem como de várias unidades hospitalares em Luanda e noutras províncias. O site da LMC confirma que a “Yapama Saúde é uma subsidiária do Grupo Mitrelli”.

O Grupo Mitrelli tem igualmente parcerias com o Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (MAPTSS) nomeadamente através da sua unidade de projectos de educação e formação profissional, Focus Education, responsável pela operacionalização do programa “Cidades Jovens de Sucesso”.

O grupo tem também ligações ao Ministério da Energia e Águas e ao “Programa Água para Todos”, através de outra subsidiária, a Owini. O grupo tem ainda parcerias com o Estado, por via da sucursal Geodata, e um sistema de “vigilância para a Covid-19”. Em Angola, o grupo está também ligado às telecomunicações, através da Net One.