• Post category:VOA

Analistas dizem que limpeza na Casa de Segurança da Presidência angolana revela podridão do sistema

Analistas dizem que limpeza na Casa de Segurança da Presidência angolana revela podridão do sistema

A implicação em actos de corrupção de altas patentes ligadas à mais alta esfera militar da Presidência da República resulta do desgaste e do estado de podridão do regime angolano.

A opinião é de analistas ouvidos pela VOA, nesta terça-feira, 25, um dia depois de João Lourenço ter afastado dos seus cargos seis oficiais generais ligados à Casa de Segurança da Presidência da República e da Procuradoria-Geral da República (PGR) ter anunciado a abertura de um processo-crime contra os mesmos.

Para o general na reserva Manuel Mendes de Carvalho “Paka”, a exoneração daqueles oficiais generais não surpreende uma vez que o Presidente João Lourenço herdou o mesmo quadro de pessoal militar do consulado de José Eduardo dos Santos.

O general Paka diz, entretanto, que os oficiais ora afastados “constituem a raia miúda” porque, em sua opinião, os generais que mais delapidam o erário público “João Lourenço tem dificuldade em levá-los à justiça”.

“Isto não passa de um bluff e de um acto de diversionismo ideológico”, defende o general Paka.

Por seu lado, no entender do académico João Lukombo Nzatuzola, as exonerações “revelam que o regime está corroído ao mais alto nível”.

A limpeza de João Lourenço surge dias depois do major Paulo Lussaty, oficial da FAA em serviço na Presidência e chefe das Finanças da banda musical, ter sido detido no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro quando tentava viajar para o estrangeiro com 10 milhões de dólares e milhares de euros.

Na nota em que anuncia a exoneração de cinco tenentes-generais e um brigadeiro-general da Casa de Segurança, a Casa Civil da Presidência da República informou que tal medida foi tomada “depois de ouvido o Conselho de Segurança Nacional”, mas não apresenta as razões do seu afastamento.