• Post category:VOA

Friends of Angola pede posicionamento da União Europeia sobre violação de direitos humanos no país

Friends of Angola pede posicionamento da União Europeia sobre violação de direitos humanos no país

A organização não governamental angolana, com sede nos Estados Unidos, Friends of Angola (FoA) quer conhecer o posicionamento da União Europeia (UE) em relação aos confrontos de 30 de Janeiro na aldeia de Cafunfo, na província da Lunda Norte e sobre a prisão do presidente do Movimento do Protectorado Lunda Tchokwe, José Mateus Zecamutchima, que se encontra detido há mais de 100 dias, sem qualquer acusação formal.

Em carta enviada à representante da UE em Luanda, Jeannette Seppen, com data de 25 de Maio, a que a VOA teve acesso, a FoA pergunta por que o bloco sanciona alguns países violadores dos direitos humanos, mas Angola nunca foi alvo de qualquer tipo de sanções.

Aquela organização questiona também se, conforme a afirmação da embaixadora, “feita após o encontro com o sr. Ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, pretende realmente falar com todos, incluindo o sr. Zecamutchima, enquanto parte central incontornável desse processo”.

A FoA diz esperar que a UE não se esqueça do caso de Cafunfo que, para ela, foi uma “matança” e lembra que, sendo Angola um dos subscritores do Acordo de Cotonou, entre a União Europeia e os países da África, Caraíbas e Pacífico, deve ser alvo de atenção e tem de respeitar os direitos humanos.

“Sra. Embaixadora, para que o respeito pelos direitos que lhe assistem sejam absolutamente garantidos pelo Estado de Angola, sugerimos que,para dar-lhe visibilidade protectora e confirmar que a UE não se esqueceu do caso,solicite uma visita ao detido (José Mateus Zecamutchima)no âmbito do diálogo com todos que prometeu”, lê-se na carta assinada por Luiz Araújo, quem também pede à diplomata europeia, que “convoque um diálogo político entre a UE e o Governo de Angola para abordagem da situação de detenção sem acusação de um cidadão há mais de 100 dias, por ser um facto que se consubstancia como uma flagrante e gravíssima violação dos direitos humanos e do Estado de Direito e democrático”.

Ajuda em vez de sanções

A FoA diz que em Angola os direitos humanos “têm sido sistematicamente violados com total impunidade, como já foi bastante denunciado por organizações angolanas e internacionais e supomos que seja do seu conhecimento, mas no entanto não há registo de que a UE tenha alguma vez sancionado entidades angolanas que ordenaram e ou perpetraram violações dos direitos humanos, mesmo tratando-se de casos que configuram crimes contra a humanidade”.

Ao prometer voltar ao assunto, bem como recorrer a outras entidades e instâncias, a organização não governamental pergunta “por que é que a UE a uns desrespeitadores dos direitos humanos sanciona e a outros ajuda”.

“Não será certamente, no caso de Angola, por não saber das violações dos direitos humanos que têm acontecido. É impossível para uma cidadã ou cidadão europeu, especialmente quando, como a Sra. Embaixadora, vive em Angola, não perceber que Angola não é um país de uma sociedade livre em que os direitos humanos são garantidos a todas e todos”.

A FoA lamenta que, além de não haver registo de sanções aplicadas a pessoas com responsabilidades nesses actos, vamos é tendo noticias sobre as ajudas da UE ao Governo, financiamentos, acordos de cooperação entre Angola e países membros da UE”.