MPLA em Benguela aposta em “métodos antigos” de mobilização

MPLA em Benguela aposta em “métodos antigos” de mobilização

O primeiro secretário do Movimento Popular para Libertação de Angola (MPLA) em Benguela, Luís Manuel da Fonseca Nunes, exigiu, neste fim-de-semana, mais dinamismo, iniciativas políticas, melhor gestão e mais criatividade de mobilização das direcções dos comités de acção do MPLA, secções da OMA e núcleos da JMPLA, dos municípios do Balombo e Bocoio.

“Adoptemos os métodos antigos em que um militante mobilize mais um. Queremos todas as vossas famílias, vizinhos ou um militante que tem um vizinho que é da UNITA, vamos ter que trazê-los e mostrar a eles, que votar em nós está votar no futuro dos nossos filhos”, disse durante durante o encontro regional.

O líder dos camaradas em Benguela acrescentou ainda que “jura que depois de atravessar os momentos mais difíceis da nossa história, após o período de independência, o MPLA está a fazer mais e melhor”.

Luís Nunes recorreu-se aos feitos das obras em curso, no âmbito do PIIM, para justificar que o partido liderado por João Lourenço tem cumprido com as suas promessas, que é resolver o problema do povo e melhorar as condições sociais das populações.

O também membro do Bureau Político do Comité Central do MPLA frisou que temos que mostrar que somos melhores do que ele. O governador de Benguela destacou ainda que desde a sua tenra idade nunca viu um partido da oposição a fazer algo em benefício ou que visa melhorar a vida dos cidadãos, antes pelo contrário, Luís Nunes disse que já viu um partido que destruiu o país.

O governador, que falava nas vestes do primeiro secretário do MPLA em Benguela, sublinhou que “temos que falar às populações que votar na oposição é dar um tiro aos seus próprios pés”.

O também conhecido como empresário mais poderoso da região Centro e Sul do país avançou que o seu partido “está a construir mais escolas para acabar com as crianças fora do sistema de ensino, estão a construir mais hospitais e distribuindo mais medicamentos as populações e melhores serviços, com esforço do MPLA, hoje Angola tem mais água, energia, habitação, mais via de comunicação, independentemente de vários problemas e, em particular, da covid-19”.