Maria Borges: “Não deixemos que as coisas negativas atrapalhem o foco do desenvolvimento”

Maria Borges: “Não deixemos que as coisas negativas atrapalhem o foco do desenvolvimento”

A modelo Maria Borges, a residir em Nova Iorque, Estados Unidos da América, é um dos nomes mais sonantes da moda angolana, nos últimos dez anos. Única angolana a participar na Semana da Alta-costura de Paris e em todas as semanas oficiais do Circuito Internacional de Moda, Paris, Milão, Londres e Nova Iorque, a artista fala do seu percurso e a da sua visão sobre o país. a modelo ainda aborda o estado da moda em Angola, as suas conquistas e os desafios da carreira, particularmente dos projectos, enquanto embaixadora do turismo angolano. Para Maria Borges, Angola tem talentos com potencial para se imporem na moda. Considera, contudo, haver poucos apoios, além da falta de união entre os fazedores de moda, situações que espera ver ultrapassadas. É dela o apelo para que “não deixemos que as coisas negativas atrapalhem o foco do desenvolvimento”.

Maria Borges é um dos nomes da moda angolana que mais se evidencia no mundo, nos últimos anos. Faça-nos, antes de mais, uma breve apresentação, enquanto artista. Como começou a sua carreira de modelo?

O meu percurso no mundo da moda começou em Luanda, em 2010, com a participação na primeira edição do concurso Elite Model. Daí, surgiram várias oportunidades, que me catapultaram para onde hoje me encontro.

Como vai parar à Europa e a partir de que momento acreditou estar pronta para conquistar as passerelles mundiais?

Logo após a participação no Elite Model Look Angola, recebi uma oportunidade da agência Step Model e comecei a dar os primeiros passos na Europa. Graças a Step Model, na altura em Lisboa, fui para Nova Iorque, depois visitei Paris, Milão, Londres, Brasil e China.   
Pelo seu percurso, parece uma artista muito viajada e com múltiplas experiências. Ao longo desses anos, que trabalhos marcaram a sua carreira?

A nomeação como primeira Embaixadora do Turismo angolano. Estar nessa posição é marcante, na medida em que o meu país terá mais contacto com o trabalho que faço, para além das conquistas lá fora.

Falando em conquistas … Há quem diga que os fazedores de moda em Angola precisam de mais investimentos, formação e matéria-prima, para ganharem o mundo. Como Maria Borges avalia o mercado da moda nacional?

Estou no mercado da moda há mais de 10 anos e acho que não há união. Existem pessoas com boas iniciativas, para fazerem melhor, mas existe pouco apoio. Como modelo internacional, já me deparei com situações do género e decidi que, em alguns eventos nacionais, antes de ser nomeada, tinha que ser contactada, pois me sentia aflita e como se estivesse a “lutar” com uma outra colega. Não é essa mensagem que quero passar para outras meninas, desde então, nunca mais fui nomeada (…).

Acredita ser esta uma das razões que levam Angola a ter um número tão reduzido de modelos a singrar pelo mundo?

Há muitos nomes a darem cartas no mercado. Temos a Amilna Estêvão, Blésnya Minher, entre outras, que começam a ser referência no país. Antes do meu surgimento, o mercado nacional contava com top models. Estou a tentar dar o meu contributo, com a minha empresa “The Star Management”. Vou tentar seguir o mesmo caminho das agências locais e dar oportunidade a outros angolanos.

É comum, muitas vezes, ouvir falar de racismo nos maiores mercados da moda. A Maria Borges já sentiu alguma vez essa dita discriminação?

O racismo vem de pessoas que não estão bem informadas, que querem baixar a nossa auto-estima. Somos todos humanos, de cores diferentes, e isso é que nos torna espaciais. Já me deparei com situações, principalmente por causa do cabelo, mas soube tirar o melhor proveito.

Pode partilhar um pouco mais desses momentos?

Já encontrei um padrão de moda. Tinha que me enquadrar nele e, de alguma forma, tentar mudar este padrão para melhor. Foi aí que desfilei pela primeira vez com o cabelo curto, pela Victoria’s Secret, e com isso mudei a história, porque muitas meninas e outras marcas abraçaram a ideia do cabelo natural. Naquela época, começou a onda do cabelo natural e hoje as meninas sentem-se bonitas de afro.

A Maria Borges faz sempre referência à Palanca Negra. A que se deve? 

Para acabar com a impressão errada que havia em relação à minha altura. Quando estava no ensino médio, muitos diziam que o meu trabalho seria trocar lâmpadas. Naquela altura, frequentava o curso de Ciências Físicas e Biológica e questionava-me sobre a razão de trocar lâmpada, se queria fazer medicina, sem desprimor para os electricistas. Muitos diziam ainda que parecia esparguete. Anos passaram-se e o bullying voltou de outra forma, devido à minha altura. Passei a ouvir muito a frase: “és muito alta”. Aos meus 23 anos de idade, decidi que tinha de me safar do bullying. Sinto muito orgulho da minha altura e tem resultado lá fora. Entretanto, olhei para a Palanca Negra Gigante, o nosso símbolo nacional, e disse que vou começar a usar a Palanca Negra como referência para a minha altura. Olhando para mim, sendo malanjina (de Malanje), alta, negra e gigante, há uma semelhança. Aí passei a dizer às pessoas que sou a Palanca Negra Gigante, na versão humana, e o bullying reduziu.

Mudando de assunto … acaba de ser indicada Embaixadora do Turismo em Angola. O que isso representa para uma artista que já quase ganhou o mundo?

Ser nomeada embaixadora do turismo é uma oportunidade para que possa, de alguma forma, ajudar o meu país, sobretudo numa área que precisa de ser explorada, bem como procurar transparecer a beleza nacional além-fronteira, aproveitando o momento para juntar o útil ao agradável e passar o que temos de infra-estruturas.

Quer trazer a público como e quando recebeu o convite para fazer parte desse projecto das autoridades angolanas?

O convite surgiu este ano, devido a um trabalho que fiz, voluntariamente, com a minha equipa, em Novembro de 2020, em que exaltávamos as nossas rainhas zungueiras. Decidimos ir ao São Paulo entrevistar as mamãs e saber mais sobre a sua história. Para lá estarmos, precisávamos da autorização da Administração do Sambizanga, para fazer o trabalho. Na altura, o actual administrador do Cazenga, Tomás Bica, olhou para o projecto e disse que estávamos no bom caminho. Logo depois, recebi o convite do director do Instituto para Fomento do Turismo, Afonso Vita, aceitei e disse que já estava à espera. 
Que ideias tem em carteira para ajudar a promover a marca Angola, enquanto Embaixadora Angolana do Turismo?

Com esta oportunidade do Ministério da Cultura,Turismo e Ambiente, pretendo dizer aos meus contactos que o País está aberto para o investimento e visitas.
Já conta com alguma parceria para o início desta longa jornada?

Creio que já existem muitos, mas, detalhadamente, não posso aqui avançar. 
Pode, ao menos, partilhar as suas prioridades neste quesito, uma vez que tem outros compromissos profissionais a cumprir?

As prioridades são as visitas às províncias, para constatarmos o potencial turístico, conhecermos os hábitos do povo e procurarmos ver o que está bom e o que deve ser melhorado. Seguem-se encontros com os operadores e, posteriormente, um encontro internacional, destinado a divulgar as nossas potencialidades turísticas.

Como a vê o País, que procura afirmar-se em África, tendo, por isso, enormes desafios a vencer?

Apesar das consequências provocadas pela pandemia da Covid-19 e outras situações pela crise económica e financeira, a visão é positiva. Hoje em dia, ter um pão à mesa é gratificante, mas é necessário que as pessoas se preparem para os momentos menos bons, como o que estamos a passar. Fico triste quando nós, angolanos, tentamos derrubar o nosso próprio país. Se não formos nós a levantar Angola quem o vai fazer? Por vezes, em Nova Iorque, falam que o teu país é corrupto, isso dói no coração. Por vezes, queres responder, mas é preciso ter cautela e mostrar que existem muitas e outras coisas de valor (…).

Mas realizada ainda 
Voltemos a falar da sua carreira … Só por curiosidade, que peças não podem faltar no seu guarda-roupa?

Com certeza, um vestido bonito e confortável. Gosto muito de blazer, de vestes clássicas confortáveis.

Pode revelar-nos algum truque de beleza?

Truques de beleza são vários, mas beber muita água ajuda a cuidar da pele, para manter o brilho.

O que recusaria fazer no seu trabalho?

Penso que dar  um falso testemunho, fazer falsas promessas ou fingir ser uma pessoa que não sou.
Já se sente realizada?

Realizada, ainda não. Vou sentir-me assim, depois de mostrar trabalho neste programa “Junto e Todos pelo Turismo” e tentar mudar alguma coisa para melhor. Estou muito feliz, mas realizada ainda não.

O mundo da moda é conhecido pela sua instabilidade, uma vida de altos e baixos. Já pensou em accionar um plano B?

Como o mundo da moda é volátil, procuro não só me dedicar à moda, como também aposto no ramo empresarial. Quanto ao plano B, é saber o que realmente amas. Quando tens talento, visão e foco aparece sempre alguma coisa para fazer, não exactamente aquilo que queres, mas haverá uma direcção para seguir.

Que projectos tem desenvolvido?

Para além da moda, procuro realizar actividades solidárias. Neste momento, estou a trabalhar para constituir a minha fundação, denominada “One touch”, “Um Toque” de Solidariedade.

O que faz nos tempos livres?Conversar com os jovens. Gosto quando me chamam para uma palestra. Recentemente, tive o prazer de visitar o município do Cazenga e dialogar com os jovens. Foi brilhante. No momento, não estava tão preparada para tal, mas consegui passar a minha experiência de forma natural. Espero regressar e levar pessoas de referência que temos nos vários sectores.
Como a família lida com a sua carreira, uma vez que vive no estrangeiro?

Sempre tive o apoio da família nas decisões que tomei sobre a carreira. Tem sido difícil ficar distante, mas o momento assim impõe. Temos é que nos adequar e matar a saudade nos momentos de férias ou pausa. 
Uma palavra de apreço aos seus fãs, em particular, e a todos os angolanos, em geral?

A todos os seguidores e fãs, muito obrigado. Para todos os angolanos, estamos juntos, muita força. E atenção, não pôr o nosso país para baixo. Está mal, mas vamos pensar positivo, não deixemos que as coisas negativas atrapalhem o foco do desenvolvimento.

Mais sobre a Modelo

Maria Borges nasceu em 28 de Outubro de 1992, na província de Luanda. Entrou no mundo da moda como concorrente, no Elite Model Look Angola 2010, e deu os seus primeiros passos na agência Step Model, onde foi, durante um ano, o rosto da empresa de cosméticos Pérola Negra. Foi considerada uma das dez modelos mais novas a ter em conta pela models.com. Venceu, em 2011, o Supermodel of the World Angola.

Teve uma breve e bem-sucedida passagem pela Moda Lisboa e pelo Portugal Fashion e conquistou agências dos Estados Unidos, em 2012, com a confirmação de 17 desfiles na sua primeira participação na NY Fashion Week. Assumiu contrato com a Givenchy no decorrer da Paris Fashion Week.

Desfiles para Givenchy, Jean Paul Gaultier, Kenzo, Paco Rabanne, Tom Ford, Oscar de la Renta, Monique Lhuillier, Zac Posen e MaxMara, campanhas para a Tommy Hilfiger e Forever 21, nos EUA, e um editorial na Vogue Itália comprovam o estatuto de “Top Model Internacional” de Borges.Actualmente, Borges é mais conhecida por participar nos desfiles da Victoria’s Secret, em 2013, 2014,2015 e em 2016, onde fez história por ser a primeira modelo negra a usar o cabelo natural, transformando-se na “única modelo angolana a desfilar por 3 vezes consecutivas no Victoria’s Secret Fashion Show. 
Maria Borges nasceu em 28 de Outubro de 1992, na província de Luanda. Entrou no mundo da moda como concorrente, no Elite Model Look Angola 2010, e deu os seus primeiros passos na agência Step Model, onde foi, durante um ano, o rosto da empresa de cosméticos Pérola Negra. Foi considerada uma das dez modelos mais novas a ter em conta pela models.com. Venceu, em 2011, o Supermodel of the World Angola.

Teve uma breve e bem-sucedida passagem pela Moda Lisboa e pelo Portugal Fashion e conquistou agências dos Estados Unidos, em 2012, com a confirmação de 17 desfiles na sua primeira participação na NY Fashion Week. Assumiu contrato com a Givenchy no decorrer da Paris Fashion Week.Desfiles para Givenchy, Jean Paul Gaultier, Kenzo, Paco Rabanne, Tom Ford, Oscar de la Renta, Monique Lhuillier, Zac Posen e MaxMara, campanhas para a Tommy Hilfiger e Forever 21, nos EUA, e um editorial na Vogue Itália comprovam o estatuto de “Top Model Internacional” de Borges.

Actualmente, Borges é mais conhecida por participar nos desfiles da Victoria’s Secret, em 2013, 2014,2015 e em 2016, onde fez história por ser a primeira modelo negra a usar o cabelo natural, transformando-se na “única modelo angolana a desfilar por 3 vezes consecutivas no Victoria’s Secret Fashion Show.